ANUNCIE AQUI


Prefeitura de Gravataí congela preço das passagens dos ônibus municipais


Projeto de Lei que está tramitando na Câmara de Vereadores busca equilibrar os déficits causados no setor pela pandemia



O prefeito Luiz Zaffalon enviou para a Câmara de Vereadores o Projeto de Lei 26/2021, com medidas que têm como objetivo equilibrar os déficits causados pela pandemia no setor e congelar o valor da passagem para o usuário, mantendo os R$ 4,80 até, pelo menos, o final deste ano. Isso será possível por meio de concessão de subsídio orçamentário extraordinário nas modalidades de indenização e de aporte à tarifa do transporte coletivo urbano municipal, nos termos da Lei Federal no 12.587/2012.

Segundo o prefeito Zaffa, o transporte público, como sistema, vem sofrendo perdas mundialmente e, com a pandemia, os problemas ficaram mais evidentes. “Só no ano passado, os ônibus municipais, que são os de nossa responsabilidade, tiveram uma redução de passageiros próxima dos 60%. Isso afetou o equilíbrio econômico e financeiro do sistema de transporte municipal significativamente, além do aumento dos preços dos insumos, especialmente do combustível. O que precisa ficar claro é que o serviço precisa ser sustentável. Se a tarifa não está conseguindo fazer com que isso ocorra, o poder concedente, que neste caso é o município, precisa cobrir o custo”, explica.

Para conseguir equacionar as contas de 2021, o executivo está pedindo autorização ao legislativo para que seja comprado um crédito antecipado de R$ 1,152 milhão. Conforme o secretário Municipal de Mobilidade Urbana, Adão de Castro, este valor poderá ser utilizado nas gratuidades ou em um cartão social. “Onde o crédito será aplicado, assim como as outras medidas de enfrentamento a um possível colapso do transporte público municipal estão sendo estudadas pelo município”, explicou ele, ressaltando que o redimensionamento do tamanho da frota, a idade da frota, a concessão de gratuidades e, ainda, os itinerários fazem parte do estudo.

Para o déficit que ocorreu entre março de 2020 e fevereiro de 2021, o secretário Adão afirmou que, por meio de um acordo judicial, será paga uma indenização por perdas, dividida em 20 parcelas, na qual o valor total será de cerca de R$ 3,8 milhões. A negociação foi homologada pela juíza Dulce Ana Gomes Oppitz, coordenadora do Centro Judiciário de Solução Consensual de Conflitos (Cejusc). O secretário Adão ainda ressalta que: “todo esse esforço que está sendo feito pelo governo municipal, desde o ano passado, é para manter a tarifa congelada, e o atendimento aos usuários do transporte público urbano municipal ”.



Texto: Paloma Vargas - Edição: Luiz Fernando Aquino - Revisão: Tiemi Sá - Foto: Arquivo/PMG



 

Postar um comentário

0 Comentários